Armário de Pessoas

Armario Kátia

Sou muito apegada ao passado, ao menos acredito que seja. Muitas vezes essa condição faz com que eu me demore a seguir em frente, mas outras tantas me faz dar valor às coisas vividas e às pessoas que fui conhecendo. Esqueço de muitas coisas, porém lembro de outras com uma riqueza de detalhes enorme. Essas coisas muitas vezes não têm a mesma importância para aqueles que as dividiram comigo. Muitos nem lembram de determinados momentos. Mas para mim tais momentos foram marcantes.

Estava pensando cá com meus botões o porque dessa minha fixação com o que já foi. Entendi que minha fixação não é em um determinado dia, em um determinado ano. O que colaborou para que certo dia se tornasse inesquecível foram as pessoas que partilharam dele comigo. Nessas ocasiões consegui manter uma conexão com os demais, ainda que os demais não a tenham percebido. Devo ter conseguido chegar bem perto da essência do outro e isso deixou marcas em mim.

Aqui, dentro da minha cabeça, tenho um armário que acreditava ter a seguinte etiqueta: Momentos Marcantes. Estava enganada. Estou trocando a etiqueta para Pessoas Marcantes. É isso. Algumas dessas pessoas estão do meu lado até hoje. Com outras eu dividi alguns anos, alguns meses. Algumas ficaram do meu lado apenas por algumas horas. Mas independentemente do tempo, todas que estão ali, guardadas no meu armário, marcaram a minha vida de uma forma boa e é por isso que as trago comigo, em forma de recordação, até hoje.

Neste armário você ocupa uma das gavetas.  De vez em quando eu abro o armário e vou até a sua gaveta só para ver o que tem dentro. Viro e reviro risadas, abraços, beijos, palavras, passos, silêncios, do mesmo jeito que fazemos quando abrimos uma caixa de recordações e pegamos em fotos, cartas, papéis de bala, flores secas.

É uma honra poder ser dona de uma gaveta cheia da sua essência.